Baphos

AP PEOPLE-CARA DELEVINGNE A ENT FILE USA CA

Cara Delevingne relata assédios do produtor Harvey Weinstein e esposa do magnata pede divórcio após denúncias

O número de atrizes e funcionárias de Hollywood assediadas pelo famosos produtor Harvey Weinstein só aumenta. A mais recente vítima a se pronunciar foi Cara Delevingne, em postagem repleta de detalhes, ela conta que o magnata do cinema chegou a tocá-la em uma reunião e pedir que ela beijasse outra mulher para ele “assistir”. A beldade também revela que se sentiu culpada por não ter recusado o papel em um filme de Harvey.

Harvey

Delevingne afirma que ela foi convidada para o hotel de Weinstein para uma reunião. Depois de falar no lobby, o poderoso produtor a convidou para o quarto. A atriz diz que negou o convite, no início, mas que sua assistente a encorajou a subir as escadas. “Quando cheguei, fiquei aliviada por encontrar outra mulher no quarto e pensei imediatamente que eu estava segura; Ele pediu para nos beijarmos e ela começou algum tipo de avanço em minha direção”, escreveu Cara.

When I first started to work as an actress, i was working on a film and I received a call from‎ Harvey Weinstein asking if I had slept with any of the women I was seen out with in the media. It was a very odd and uncomfortable call….i answered none of his questions and hurried off the phone but before I hung up, he said to me that If I was gay or decided to be with a woman especially in public that I'd never get the role of a straight woman or make it as an actress in Hollywood. A year or two later, I went to a meeting with him in the lobby of a hotel with a director about an upcoming film. The director left the meeting and Harvey asked me to stay and chat with him. As soon as we were alone he began to brag about all the actresses he had slept with and how he had made their careers and spoke about other inappropriate things of a sexual nature. He then invited me to his room. I quickly declined and asked his assistant if my car was outside. She said it wasn't and wouldn't be for a bit and I should go to his room. At that moment I felt very powerless and scared but didn't want to act that way hoping that I was wrong about the situation. When I arrived I was relieved to find another woman in his room and thought immediately I was safe. He asked us to kiss and she began some sort of advances upon his direction. I swiftly got up and asked him if he knew that I could sing. And I began to sing….i thought it would make the situation better….more professional….like an audition….i was so nervous. After singing I said again that I had to leave. He walked me to the door and stood in front of it and tried to kiss me on the lips. I stopped him and managed to get out of the room. I still got the part for the film and always thought that he gave it to me because of what happened. Since then I felt awful that I did the movie. I felt like I didn't deserve the part. I was so hesitant about speaking out….I didn't want to hurt his family. I felt guilty as if I did something wrong. I was also terrified that this sort of thing had happened to so many women I know but no one had said anything because of fear.

Uma publicação compartilhada por Cara Delevingne (@caradelevingne) em

Na tentativa de desviar a atenção de Weinstein, Delevingne lembra que começou a cantar: “Eu estava tão nervosa. Depois de cantar eu disse novamente que eu tinha que ir embora. Ele me conduziu até a porta e ficou de pé na frente dela e tentou me beijar nos lábios”, escreve a modelo.

Apesar de rejeitar os avanços de Harvey, a estrela da “Cidade de Papel” ainda apareceu em “Tulip Fever”: “Fiquei mal em fazer o filme“, ​​explica. Cara ainda comenta sobre o tempo que as vítimas levaram para falar sobre os casos.

Tulip Fever

Eu também estava apavorada que esse tipo de coisa tivesse acontecido com tantas mulheres que eu conheci, mas ninguém havia dito nada por causa do medo. Eu quero que as mulheres e as meninas saibam que ser assediado ou abusado ou estuprado nunca é culpa deles”, completou.

Além de ter trabalhado com Weinstein, Cara participou do desfile da Marchesa, em 2013. A marca de moda pertencente a, atualmente, ex esposa de Harvey, Georgina Chapman. A estilista, inclusive, pediu divórcio após as inúmeras denúncias.

harvey-weinstein-wife-georgina-chapman-960x540

Meu coração se quebra por todas as mulheres que sofreram tremendo sofrimento por causa dessas ações imperdoáveis. Eu escolhi deixar meu marido. Cuidar de meus filhos jovens é a minha primeira prioridade e peço aos meios de comunicação a privacidade neste momento”, afirmou Chapman em um comunicado à revista PEOPLE. Harvey também foi demitido da própria empresa “The Weinstein Company”.

A repercussão dos relatos tem ganhado destaque e voz na mídia internacional, não só as atrizes que denunciaram abusos estão falando sobre o assunto, mas também atores que trabalharam com o produtor. Leonardo DiCaprio, por exemplo, publicou em sua página no Facebook uma mensagem de apoio as colegas:

Não há desculpa para assédio sexual ou agressão sexual – não importa quem você é e não importa qual profissão. Eu aplaudo a força e a coragem das mulheres que se aproximaram e ouviram suas vozes“.

leonardo-dicaprio

Com a revelação, Cara Delevigne se junta ao grupo de mulheres que detalharam abusos sofridos em trabalhos com Harvey Weinstein, incluindo Ashley Judd, Angelina Jolie e Gwyneth Paltrow.

Quem é Harvey? Entenda o caso

Weinstein alcançou a glória no Oscar de forma surpreendente com “Shakespeare Apaixonado”, e se tornou um dos produtores mais aclamados de Hollywood. Mas, sua queda foi bem mais rápida que a subida. Ele está sendo acusado de assediar sexualmente ao menos dez mulheres — entre elas atrizes e antigas funcionárias —, e foi expulso da The Weinstein Company, empresa que ele mesmo criou e comandava desde 2005.

A determinação partiu do conselho de acionistas do estúdio, que transferiu o controle do império Weinstein para o irmão de Harvey, o também produtor Robert — confira o comunicado oficial emitido pela diretoria a seguir: “À luz das novas informações que surgiram nos últimos dias sobre a má conduta de Harvey Weinstein, os diretores da Weinstein Company — Robert Weinstein, Lance Maerov, Richard Koenigsberg e Tarak Ben Ammar — determinaram e informaram a Harvey Weinstein que seu contrato com a The Weinstein Company foi encerrado, com efeito imediato” (via Variety).

Na quinta-feira, dia 5 de outubro, o The New York Times apresentou em detalhes as acusações de assédio sexual feitas à Weinstein — remontando à época em que o “chefão” de Hollywood comandava o estúdio Miramax, em 1991, e que, em sua maioria, comprou o silêncio das vítimas. Entre as testemunhas, segundo o jornal, estão as famosas Ashley Judd (Divergente) e Rose McGowan (À Prova de Morte), além de outras seis mulheres, que recontaram suas experiências.

por Giuline Bastos, 11 de outubro de 2017

POSTS RELACIONADOS

COMPARTILHAR NO FACEBOOK